domingo, 17 de janeiro de 2010

Me deixe ir

me deixe ir, me dê motivos para isso
você sabe que eu não sou assim,
nunca fui, é tudo farsa, desgraça, sem fim.

me deixe ir mesmo que isso doa muito,
eu não quero mais refugio, eu já tenho para onde ir.
além de todos os problemas, um lugar onde eu possa ser eu.

me deixe ir, não quero mais viver nessa mentira antiquada
de menina delicada, que nasceu para ser dona de casa,
cuidando de filhos e esquentando barriga em fogão.

me deixe ir, voltar o caminho do altar,
o que eu perdi acabei de achar, achei a mim.

não adianta querer comandar uma alma aventureira, como dizes:
sem eira nem beira, nem uma gota de juízo para si.

me deixe ir, me dê motivos, eu sou assim,
chega de tentar esconder minha essência,
me faça logo deixar de te amar, eu quero ir
ver tudo aquilo que ainda eu não vi.

4 comentários:

Taiany disse...

Você sabe que eu amo seus poemas né?
São tão lindos e intensos,continue a escreve-los,porque não há nada melhor do que expressar nossos sentimentos!

ana disse...

'me deixe ir, não quero mais viver nessa mentira antiquada
de menina delicada, que nasceu para ser dona de casa,
cuidando de filhos e esquentando barriga em fogão.'
me identifiquei muiito com essa parte :B
adoro poemas, já escrevi alguns
mas ficaram péssimos
adorei os seus, são leves
com palavras simples
e o mais importante: tem sentimento :]
:*

Felicidade Clandestina disse...

"o que eu perdi acabei de achar, achei a mim ."


é o que todo mundo quer, né! gostei daqui também, e tamos seguindo o seu blog. volte sempre :*

davi disse...

Baaala!